Contra a verdade não temos poder algum; temo-lo apenas em prol da verdade. (II Coríntios 13,8)

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

A Fé e suas fontes - Perte III


As Duas Fontes da Revelação – Tradição Divina e Sagrada Escritura

Chamamos de Fonte da Revelação o lugar onde se recolhe, sem possibilidade de erro, a Revelação divina.

  • A Tradição divina é a fonte Primária da Revelação.
  • A Sagrada Escritura ou Bíblia é a fonte Secundária da Revelação.

Tradição = algo transmitido por Deus.

A Divina Tradição é fonte da Revelação porque por ela se conserva e é transmitida pela Igreja, desde os Apóstolos, as verdades e as coisas ensinadas por Deus. Assim, nela está contida a palavra de Deus transmitida.

Ela é chamada fonte primária porque, antes de mais nada e por si só, foi ordenado por Nosso Senhor que fosse transmitida e conservada pela pregação oral. “Ide, pregai este Evangelho”. “Vos transmiti o que recebi... vos preguei o que recebestes para que não acrediteis em vão... Tal a nossa pregação tal a vossa fé”. (ICor., 15). A conservação da Divina Tradição só podia ser garantida por Deus, pois aquele que a constitui também a conserva.

Em que consiste a Tradição:

Ela engloba verdades:

  • explicitamente presentes nas Sagradas Escrituras – ex. a divindade de Cristo
  • implicitamente presente nas Sagradas Escrituras – ex. a assunção de Nossa Senhora.
  • não presentes nas Sagradas Escrituras – ex. forma e matéria de alguns sacramentos.

Em que não consiste a Tradição:

  • não é a Tradição apostólica – verdades oriundas dos apóstolos. Ex. certos ritos secundários
  • não é a Tradição eclesiástica – verdades oriundas da pregação da Igreja. Ex. o hábito eclesiástico.

Devemos constatar a existência de uma Tradição divina, doutrinária e moral, revelada aos homens de modo certo e infalível, por modo de pregação, que sob a responsabilidade de instituições fundadas por Cristo, a Igreja e seu magistério hierárquico, sempre foi transmitida e confirmada, formando um conjunto de documentos dos Apóstolos, dos Papa, dos Concílios, ou ainda, em grau menor, dos Santos Doutores, teólogos, artistas e escritores. Este Depósito Sagrado é garantia da nossa fé e sempre se manteve intacto, até que sofreu os mais rudes ataques, pelos inimigos da Igreja, no Concílio Vaticano II (1962-1965).

Destaques nossos. Texto completo: http://www.capela.org.br/Catecismo/fontes1.htm

Um comentário:

Ir. Pedro da Encarnação de Cristo disse...

Inclusive coloquei no meu blog que o mês de setembro é o mês do sagrado magistério. Ao invés de colocar como apenas o mês da bíblia ignorando a tradição e a patrística.
Salve Maria!

Seja Bem-Vindo(a) ao Blog do Grupo de Estudo Veritas !

Contra a verdade não temos poder algum; temo-lo apenas em prol da verdade.(II Coríntios 13,8)