Contra a verdade não temos poder algum; temo-lo apenas em prol da verdade. (II Coríntios 13,8)

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Que tenho eu, Senhor, que Tu não me tenhas dado?



Que tenho eu, Senhor, que Tu não me tenhas dado?
Que sei eu, Senhor, que não me tenhas ensinado?
Que valho eu, Senhor, se não estou a teu lado?
Que mereço eu, Senhor, se a ti não estou unido?
Perdoa-me os pecados que tenho cometido.
Tu me criastes, sem que o tivesse merecido
E tu me redimiste sem te ter pedido.
Tu muito fizestes, Senhor Jesus, ao criar-me muito mais bondoso fostes em resgatar-me.
Serás, Senhor, menos generoso ao perdoar-me?
Pois o precioso sangue que tu derramaste e a morte atroz, Jesus, que na cruz suportastes,
não a sofrestes pelos anjos que te atendem mas por mim e pelos pecados que te ofendem!
Se te neguei, deixa-me agora proclamar-te.
Se te injuriei, ó Senhor, deixa-me louvar-te.
Se te ofendi, Senhor Jesus, deixa-me amar-te.
Porque mais morte que vida é viver sem adorar-te.
Amém.


Padre Mateo Crawley
- "Que tenho eu, Senhor, que Tu não me tenhas dado?"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=cronicas&artigo=que_tengo〈=bra
Online, 18/07/2007 às 15:14h

Um comentário:

Maicon disse...

Belíssima Oração.

Seja Bem-Vindo(a) ao Blog do Grupo de Estudo Veritas !

Contra a verdade não temos poder algum; temo-lo apenas em prol da verdade.(II Coríntios 13,8)